Estatais podem fechar 2017 totalizando menos de 500 mil funcionários

Segundo dados divulgados pelo “Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão”, as empresas estatais tiveram o fechamento do terceiro trimestre de 2017 com um número menor de funcionários que não era observado desde 2010. Os dados deste levantamento foram divulgados no dia 4 de dezembro deste ano e apontam para o número de 506.852 empregados no fechamento do terceiro trimestre, que ocorreu em setembro deste ano. No mesmo período em 2010, os números apontados pelo ministério eram de 497.036 servidores públicos em atividade nas estatais em todo o país.

Os primeiros trimestres de 2017, demonstraram que houve uma redução no número de funcionários nas empresa estatais que atingiram a casa dos 26.336 servidores públicos. As quedas mais significativas foram constatadas na Caixa Econômica Federal, com redução de 7.199 servidores este ano. Os Correios, que enfrentam uma longa crise administrativa e política, e questões de reestruturação dos serviços oferecidos à população, dispensou 7.129 funcionários, seguido pela Petrobras e pelo Banco do Brasil, que dispensou 4.019 e 2.676 servidores este ano, respectivamente.

De acordo com Fernando Antônio Ribeiro Soares, secretário de “Coordenação e Governança das Empresas Estatais”, um dos principais motivos para essa grande redução no quadro de funcionários destas e outras empresas estatais, é a implantação do programa PDVs, programa que visa o desligamento voluntário de funcionários das empresas estatais.

De um modo geral, as empresa que aderiram ao programa PDVs são: Caixa Econômica Federal, CPRM – “Companhia de Recursos de Pesquisa Mineral”, Infraero, Eletrobras CGTEE – “Companhia de Geração Térmica de Energia Elétrica”, Banco do Nordeste, Dataprev, Eletrobras, Codesa, Casa da Moeda, Amazul, Valec, Banco da Amazônia, EBC – Empresa Brasil de Comunicação, INB – Industria Nucleares do Brasil, Banco do Brasil, Petrobras e Correios.

As expectativas, segundo o secretário, são de que o ano de 2017 pode fechar com menos de 500 mil funcionários em atividades nas estatais brasileiras. Ele ainda disse que seu objetivo está em recuperar as estatais, através de custos menores e aumento da produtividade. Além disso, essas empresas deverão entrar para um quadro maior de sustentabilidade ao longo dos anos.

 

Brasil registra 76 mil novas vagas de emprego em outubro de 2017, diz Caged

O Governo do Brasil vem se esforçando para promover melhorias na economia seguindo uma sequência de medidas. O País apresentou no mês de outubro de 2017 um ótimo saldo positivo na criação de novas vagas de emprego com registro em carteira. Segundo dados do Caged – Cadastro Geral de Empregados e Desempregados – divulgados no dia 20 de novembro de 2017, demonstrou que 76.599 vagas formais de emprego foram criadas em outubro deste ano.

No total acumulado em 2017, a cota de pessoas empregadas formalmente foi de 303,2 mil em todo o país. Em comparação com o mesmo período em 2016, os resultados eram diferentes. No final do ano de 2016, o mês de dezembro registrou oficialmente um número de 730 mil demissões, um reflexo direto de péssimas políticas adotadas pelos governantes de outrora. Na comparação entre os meses de janeiro e outubro de 2015, o retrospecto também era negativo, sendo que naquele período o acumulado fechou em 786 mil demissões.

Segundo os dados atualizados do Caged, as mudanças já podem ser sentidas na prática, de forma concreta e rumo a ascensão econômica. Uma das grandes influências para que esse resultado desse certo foram as medidas que facilitaram muito o acesso ao crédito para empresas de pequeno, médio e grande porte no Brasil. Essas mudanças ainda são tímidas e poderiam ser mais voltadas para as micro e pequenas empresas. Pensando nisso, o presidente Michel Temer esteve reunido com parlamentares e representantes do Sebrae para discutir medidas de incentivos, como a possibilidade de premiação para empreendedores formalizados que pagam impostos em dia.

Houve também uma grande redução de juros este ano, com sequência de cortes na taxa básica de juros – Selic – consecutivamente. Com a inflação sob controle e as taxas de juros aplicadas no mercado baixas, os investimentos estão sendo realizados a curto, médio e longo prazo, e o Brasil está conseguindo se organizar para fazer negócios.

O comércio foi responsável pela criação de 37,3 mil postos formais de emprego. A indústria de transformação ficou em segundo lugar, demonstrando um desempenho de 33,2 mil vagas de empregos criadas. Serviços aparece com 15,9 mil vagas criadas em outubro deste ano. De um modo geral, dos 12 ramos observados, 11 deles demonstraram ótimos retrospectos.

 

Estrangeiros residentes no Brasil passam a adquirir mais CTPS

O Brasil registrou 76 mil novas vagas de empregos em outubro de 2017, seguindo um ótimo retrospecto de retomada econômica. Um percentual dessas vagas geradas foram ocupadas por estrangeiros instalados no Brasil. Segundo o Ministério do Trabalho e o CGig – Coordenação-Geral de Imigração, foram emitidos 17.680 mil CTPS – Carteiras de Trabalho e Previdência Social – destinadas a estrangeiros nos primeiro seis meses deste ano.

Em comparação com o mesmo período em 2016, houve um aumento de 1.431 novas carteiras de trabalho. Um dos povos que mais influenciaram para esse aumento foram os venezuelanos, que registrou um número de 706 registros nos primeiros seis meses de 2016. Em 2017, esse número saltou para 3.322, um aumento equivalente a 370%.

“A Venezuela passa por um período sensível na sua política. Já o Brasil retoma o crescimento econômico e a estabilidade política, e é um país que possui uma legislação mais humanitária para imigrantes. Todos esses fatores favorecem à imigração, sobretudo de pessoas que buscam um lugar para ficar até que a situação se normalize no país de origem”, explica Ronaldo Nogueira, ministro do Trabalho.

Mesmo com um aumento considerável de venezuelanos residindo no Brasil, os haitianos foram os trabalhadores estrangeiros que mais solicitaram a CTPS nos primeiros seis meses deste ano, com 5.992 carteira emitidas. Esse número é menor em comparação com os mesmo período de 2016.

Em terceiro lugar em emissão de carteiras emitidas para estrangeiros residentes no Brasil, esta Cuba, com 941 emissões este ano. Argentina, Bolívia, Paraguai, vem logo em seguida, com 781, 622 e 596, respectivamente neste ano.

“A carteira expedida para o estrangeiro permite apenas que ele procure um posto de trabalho legalmente”, explica Hugo Gallo, coordenador de Imigração do Ministério do Trabalho. O coordenador deixa bem claro que as carteiras emitidas para os estrangeiros não significa exatamente um contrato de trabalho. Muitas dessas carteiras emitidas para estrangeiras não foram assinadas por empresas.

Muitas vagas de emprego formal foram criadas por micro e pequenas empresas este ano, sendo essas empresas menos restritivas em termos de contratação.

 

Temer diz que reforma trabalhista contribuirá para um Natal mais farto

Em comemoração à reforma trabalhista que entrou em vigor no dia 11 de novembro deste ano, o presidente Michel Temer divulgou um vídeo na internet comentando o fato como uma melhora no quadro econômico das famílias. No vídeo, Temer afirma que as famílias brasileiras terão um Natal mais farto por causa da reforma trabalhista. “Tudo indica que teremos um Natal melhor, com mesa mais farta e mais presentes para a família.”

Segundo o presidente da república “uma das medidas mais importantes do governo foi a modernização das relações de trabalho”. No vídeo Temer destaca a importância da reforma trabalhista para os lares brasileiros citando a economia do país de um modo geral. A modernização das leis de trabalho citada por Michel Temer, será benéfica para os jovens: “Existem pesquisas mostrando que os jovens têm expectativa muito positiva com essa modernização da lei trabalhista”.

Para o presidente, algumas das mudanças que ocorreram nas leis trabalhistas que deverão contribuir positivamente para os jovens são a jornada parcial de trabalho e o trabalho remoto. As duas medidas implantadas nas leis trabalhistas aumentarão as chances profissionais de jovens e adultos. “Com a nova lei, vamos acelerar a recuperação dos empregos”, disse o presidente.

No vídeo divulgado, o presidente explica que a reforma trabalhista entrou em vigor para aumentar a quantidade de emprego gerados no país com registro em carteira. Temer disse: “As mudanças que estamos fazendo são para consolidar e ampliar o trabalho digno no país, abrindo mais oportunidades para todos”.

A reforma trabalhista que entrou em vigor após sanção do presidente, alterou diversos pontos da CLT – Consolidação das Leis de Trabalho. A maior mudança ocorreu em relação às negociações entre o empregado e o empregador. Embora a reforma trabalhista tenha sido fortemente criticada por ferir os direitos do trabalhador, o governo avalia que as mudanças contribuirão para a economia do país através de mais empregos e da formalização do algumas modalidades de trabalho.

Dentre as negociações permitidas pelas novas leis de trabalho, uma delas está na jornada total de trabalho que agora pode ser negociada entre as partes, tanto para mais quanto para menos. Contudo, a mudança em relação a jornada de trabalho só pode ser efetiva após um acordo coletivo.