Municípios fora de capitais estaduais apresentam maior contribuição junto ao PIB

Entre os anos de 2002 e 2015, as capitais do Brasil tiveram um recuo de 2,9 p.p – pontos percentuais – na participação do montante do PIB – Produto Interno Bruto – brasileiro. Na contramão desse recuo, os municípios que não estão situados em capitais tiveram um crescimento na participação do PIB de 2,9 p.p. No ano de 2002, 36,1% do total acumulado do PIB nacional era diretamente gerado em capitais de estados do país, uma porcentagem que no ano de 2015 sofreu uma grande queda, atingindo 33,1%.

Nos demais municípios do país, essa contribuição com a economia do país só veio crescendo, saltando de 63,9% para 66,9% de contribuição para a soma do PIB nacional neste mesmo período de avaliação. Esses dados foram revelados pelo IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – no dia 14 de dezembro de 2017, na pesquisa PIB dos Municípios 2010-2014.

De acordo com o pesquisador do IBGE, Frederico Cunha, a soma das atividades geradas pela indústria e serviços tiveram um grande impacto e foram os setores que mais tiveram contribuição para esse crescimento do PIB desses municípios. “Houve uma perda das capitais nessa participação, ainda mais em relação às atividades industriais, que registrou uma perda de até 4,1 p.p, de serviços, com queda de 5,8 p.p, e na atividade de voltada para os segmentos de administração, educação, defesa, seguridade social e saúde pública, com redução de 1,7 p.p”.

Considerando as 20 capitais que menos tiveram participação em relação ao PIB do Brasil em 2017, Recife, Belém e Vitória foram as que mais tiveram quedas nesta contribuição, registrando (-8,8 p.p), (-7,9 p.p) e (-7,4 p.p), respectivamente.

“Embora os movimentos mais perceptíveis sejam de desconcentração, atualmente o país ainda possui grande concentração. Um exemplo disso ocorreu em 2015, quando 25 municípios brasileiros foram responsáveis pela concentração de 37,7% do PIB. Os outros 5.545 que restaram repartiam 62,3% do PIB”, finaliza o pesquisador.

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *