Foco e persistência no trabalho

Muitos fundadores muitas vezes assumem muito mais do que podem mastigar apenas por sua natureza. Eles são como pegas, atraídos pela nova “coisa brilhante”. É difícil não dizer sim a novas oportunidades, novos recursos que poderiam ser construídos, envolver-se com um novo projeto paralelo ou o que for brilhante e novo no momento. Aprender a dizer “não” é uma habilidade difícil para um fundador aprender, mas às vezes dizer não é a única maneira de dobrar e manter o foco no que é importante.

Uma preferência por construir: Quando os fundadores trazem notícias de seu produto à existência, tendo começado sem nada, eles precisam ter a mentalidade de “construtor”. A dificuldade é mudar essa mentalidade e saber que “construa e eles virão” não é uma estratégia de marketing viável. Liberar seu produto para o mundo é difícil de fazer quando, como fundador, você vê todas as imperfeições e tem um roteiro completo de recursos que você está desesperado para construir. Os melhores fundadores sabem que construir o produto é fundamental, mas o foco deve ser inteiramente na construção para o usuário, não para satisfação própria.

A luta contra o perfeccionismo: “Feito é melhor que perfeito”. Em uma inicialização, essa afirmação é quase sempre verdadeira. A velocidade é de vital importância e fazer algo, sair do caminho e seguir para a próxima tarefa é o que todo fundador está buscando. No entanto, como acima, pode ser difícil saber que sua criação está no mundo e ainda é tímida de ser perfeita. Um ato de equilíbrio difícil para os fundadores administrarem, mas que é de importância crítica para manter o foco. Os fundadores têm que ficar de olho na relação velocidade versus qualidade versus custo e garantir que o equilíbrio correto esteja sendo alcançado para otimizar o crescimento.

Generalistas vs. especialistas: Minha última observação é que muitos fundadores são generalistas. Há exceções, é claro, mas como já discutimos, os fundadores precisam lidar com quase tudo. Como generalista, você tem que aprender o suficiente sobre cada tópico para sobreviver a curto prazo. A desvantagem disso é que os generalistas não são capazes de se concentrar em sua única ‘coisa’ e fazer isso bem.

Aplicativo chinês oferece alta concorrência no mercado que trata de redes sociais

Um aplicativo de origem chinesa é a nova aposta para concorrer com redes sociais bastante conhecidas, como o Instagram, por exemplo. O sucesso desse recurso tem ocorrido em razão de suas configurações. Chamado de Tik Tok, ele reúne diversas ferramentas peculiares de edição, possibilitando, dentre outras coisas, a criação e publicação de vídeos curtos.

Tal aplicativo foi lançado ainda em 2016 e tem apresentado crescente utilização a cada ano que passa. Outros aplicativos já tentaram competir com as tradicionais redes sociais da atualidade, mas não obtiveram sucesso. O Tik Tok, em contrapartida, tem conseguido se destacar no competitivo mercado, conforme matéria veiculada pelo Portal de Notícias Terra. No final de 2018 o software contava com 500 milhões de usurários em todo o mundo, pontua a publicação.

O modo de funcionamento do aplicativo se assemelha com o de outros já consagrados, como no caso daqueles que possuem serviços de publicações passageiras, conhecidos como “stories”. Ainda que o Tik Tok possua similaridades com outros softwares, há uma peculiaridade que tem conquistado o público. Trata-se da funcionalidade que permite aos seguidores remunerarem as pessoas que mais admirem. Assim sendo, é possível enviar moedas próprias a quem se desejar. Além disso, pode-se publicar anúncios ao longo da veiculação dos vídeos.

De acordo com a empresa CB Insights, responsável pela realização de consultorias corporativas, a produção do aplicativo em questão consiste na maior fonte de lucratividade de sua desenvolvedora, a Bytedance. Para se ter ideia, o software conseguiu ocasionar um faturamento de 75 bilhões de dólares em dois anos. Desse modo, a startup chinesa conseguiu superar até mesmo outras empresas de expressivo crescimento.

Fundada pelo empresário Zhang Yiming, um chinês que possui 35 anos, a empresa apresenta um caso raro de crescimento entre as companhias mais expressivas da China. Isso se deve ao fato da Bytedance ter conseguido sobreviver sem o apoio de outras companhias de renome no país. O maior desafio agora é conseguir expandir a empresa em outras localidades.

A consultora Apptopia realizou um levantamento acerca dos perfis dos usuários do aplicativo, apurando que 35% dos usuários têm idade até 20 anos. O fato do Tik Tok agradar prioritariamente os mais jovens, de acordo com a consultoria, ocorre por este ser divertido.

Saiba mais:

https://www.terra.com.br/noticias/tecnologia/hit-adolescente-app-chines-tiktok-busca-expansao,d4dfbdd4182be7c8996d4731e73859ab9ep1n6ur.html

Fyre Festival tem documentário na Netflix

Imagina um lugar lindo com praias paradisíacas e paisagens de tirar o fôlego? Agora acrescente isso a modelos conhecidas internacionalmente e a influenciadores que alcançam milhões. O plano de marketing se torna infalível, mas um evento não é apenas um plano de marketing não é mesmo.

O que não faltou no marketing, faltou na execução. Todos os lugares haviam sido vendidos com sucesso, mas esse sucesso não acompanhou o fôlego que precisariam ter para toda a logística de um evento vendido como um acontecimento luxuoso em uma ilha da região caribenha de Barbados.

Dinheiro explicitamente não faltava, mas o que faltou grandiosamente foi um planejamento para garantir que tudo o que foi prometido fosse executado com tempo. O empresário já havia sido bem sucedido no ramo de cartões de crédito para clientes de luxo, mas isso demonstrou que apesar da experiência de sucesso sempre é necessário ter cautela.

O chamado Fyre Festival estava se focando em clientes que esperavam o melhor de grandes experiências em uma ilha caribenha.

Depois de todos os problemas de hospedagem e abastecimento de água que estavam perturbando os organizadores, uma tempestade impetuosa deixou o que já estava ruim, pior.

Quando o prazo da viagem ser realizada começou, então uma sequência de acontecimentos com os clientes mostraram que aquele festival na verdade não iria acontecer.

Ao chegar na ilha, os viajantes foram direcionados para um restaurante de frente a uma bela praia paradisíaca, mas esse lugar não ficou tão legal quando já se passaram seis horas e ninguém sabia o que iria acontecer.

Quando chegaram em suas hospedagens formadas por plástico em forma de bolha, então todas as fichas caíram para quem tinha pago milhares de dólares. Nada não passava de um tremendo fiasco.

Nos bastidores o empreendedor que antes se focava em soluções já não pôde manter a mesma confiança.

Da mesma maneira que as redes sociais impulsionaram as vendas dos ingressos, elas mostraram as más notícias como a refeição do festival: pão com queijo e salada, então se viu que todo glamour simplesmente não existia. O aeroporto da região ficou com a capacidade esgotada com tanta gente querendo sair dessa viagem frustrada.

Ciclistas protestam por mais mobilidade no aniversário de 465 anos de São Paulo

A cidade de São Paulo fez aniversário no dia 25 de janeiro, e um dos grandes desejos dos moradores da cidade todos os anos são mais ciclofaixas e mais segurança no trânsito, um presente que os paulistanos acreditam que São Paulo merece. Um dia como esse é um grande prazer para os moradores que vivem em uma cidade que completa 465 anos em 2019. Este ano, o desejo dos ciclistas é que a bicicleta se torne cada vez mais uma alternativa de transporte na cidade.

O engenheiro Randall Edmundo pedala 40 quilômetros pela cidade nos fins de semana e disse que é assim que mantém a forma: “Eu tenho 65 anos e estou com 69kg, preservo a saúde com o uso da bike todos os dias, instrumento excelente para isso”, disse Edmundo.

O dentista Alexandre Teixeira também escolheu os pedais para se exercitar e curtir a cidade: “Você tá no ambiente com outras pessoas, circulando, respirando, uma das melhores formas de Liberdade”.

É o que diz Marcelo Soares, ultraciclista acostumado a provas de até 10.000 Km. Ele pedalou durante 8 horas seguidas no dia 25 de janeiro deste ano como uma forma de chamar atenção para a necessidade de mais segurança para quem usa a bicicleta como forma de transporte. “Semana passada eu caí e o capacete que eu estava usando quebrou. Por causa da chuva, acho que uma árvore derrubou um fio grosso do poste e conforme o pneu pegou neste fio não teve jeito, me jogou de uma forma que cai bem rápido. As notícias não poderiam ter sidos boas se eu não estivesse protegido com o capacete”, explicou Soares.

Essa parte da segurança pelo menos, é responsabilidade de cada um. Muitos ciclistas não costumam usar capacete, mas deveriam devido aos riscos oferecidos em locais onde não existem ciclofaixas e nem ciclovias. Um capacete de ciclista custa entre R$ 60 e R$ 80, e pode ser encontrado em diversos pontos de venda especializados na cidade, uma das dicas lançadas pelos ciclistas no protesto.

Dia 25 de janeiro foi aniversário da cidade e a promessa de revitalização da Praça dos Ciclistas na Avenida Paulista foi um dos presentes que marcaram essa data. A praça é palco de encontro, de protestos e de mobilidade com a cidadania. “É daqui que saem as bicicletas toda sexta-feira, onde as pessoas muitas vezes buscam soluções junto ao governo e ao poder público para a situação da mobilidade na cidade, é aqui que o cicloativismo da cidade acontece. É um marco da cidade e envolve todos os cidadãos de São Paulo”, diz Daniel Mourão, porta-voz do projeto Praça das Bicicletas.